sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Perfil: Gal Costa

Dos tempos do Teatro Vila Velha, onde deu os primeiros passos em direção ao estrelato ao lado dos também famosos Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gilberto Gil e Tom Zé à época de musa da Tropicália não se passaram muitos anos, mas foram suficientes para mudar a trajetória da baiana Maria da Graça Costa Penna Burgos, conhecida pelo grande público como Gal Costa, uma das maiores cantoras do Brasil até hoje.
Apesar de ter se apresentado em alguns espetáculos quando ainda morava em Salvador, Gal gravou profissionalmente pela primeira vez em 1965, ao fazer uma participação no disco de estreia de Maria Bethânia cantando Sol Negro, de Caetano Veloso.
O primeiro disco oficial de Gal foi Domingo, com Caetano Veloso, em 1967, mesmo ano que o cantor revolucionou a MPB interpretando Alegria, Alegria no III Festival da Música Popular Brasileira, organizado pela TV Record.
No ano seguinte, Gal finalmente mostrou a que veio, fazendo um estrondoso sucesso com a clássica música Baby, do antológico disco Panis et Circencis, e surpreender com a interpretação de Divino, Maravilhoso no IV Festival da Música Popular Brasileira. Nessa época, ela já era destaque também por conta da Tropicália, que naquela altura já era um novo movimento musical em forte ascensão e do qual Gal era uma das principais representantes.
Em 1969, Gal gravou seu primeiro LP solo, Gal Costa, que traz Baby, Que Pena e Divino, Maravilhoso. No mesmo ano lançou o LP Gal, que trouxe os sucessos Cinema Olympia e Meu nome é Gal.
Durante a década de 1970, Gal ficou ainda mais conhecida ao gravar a música Modinha para Gabriela, que foi o tema de abertura da novela Gabriela, de 1975. No ano seguinte, estrelou ao lado de Gil, Caetano e Bethânia o espetáculo Doces Bárbaros, que inclusive gerou um disco de mesmo nome. 
Nos anos seguintes, a cantora lançou mais músicas que viraram sucesso, como Tigresa, Canta Brasil, Balancê, Aquarela do Brasil, Força Estranha, Festa do Interior, Chuva de Prata, Caminhos do Mar e Meu Bem, Meu Mal.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Dica de Quinta: Guerreira

Composta por Paulo César Pinheiro e João Nogueira, essa música foi lançada originalmente por Clara Nunes em 1978, no LP Guerreira
Em 2013, a música foi gravada com muita competência por Mariene de Castro, que fez no CD Ser de luz uma homenagem digna à Guerreira da Utopia nos 30 anos de sua morte.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Música no Cinema: Stayin’ Alive


A cena mais clássica do filme
Composta pelos irmãos Barry, Robin e Maurice Gibb, integrantes da famosa banda Bee Gees, Stayin’ Alive ficou mundialmente conhecida em 1977, ao fazer parte da trilha sonora do famoso filme Os Embalos de Sábado à Noite, protagonizado por John Travolta.
O filme, que traz várias músicas do Bee Gees, conta a história de um jovem humilde e problemático que se diverte somente nos fins de semana, quando compete de um concurso de dança em uma discoteca. 
Além da belíssima trilha sonora e da boa história, Os Embalos de Sábado à Noite se tornou um dos melhores da década de 70 por retratar bem a juventude daquela época e, é claro, também ficou bastante famoso por conta do visível talento de John Travolta para a dança.

Anos depois foi feita uma sequência desse filme, que apesar de ainda ter belas músicas do Bee Gees na trilha sonora e John Travolta no papel principal, que vinha se tornando cada vez mais famoso depois de Grease - Nos tempos da Brilhantina, de 1978, que rendeu um fantástico par romântico com Olívia Newton-John, Os Embalos de Sábado Continuam foi um fiasco completo.