quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Música no Cinema: Sina


Considerada como uma das mais famosas músicas de Djavan, Sina foi gravada por Caetano Veloso em 1982, para o LP Cores Nomes. No mesmo ano, o compositor da música, Djavan, a gravou para o álbum Luz, o 5º de sua carreira. 
Em 1994, Sina foi o tema de abertura da série Confissões de Adolescente, exibida pela TV Cultura, o que explica a presença da música na adaptação de Confissões de Adolescente para o cinema.

Mesmo após mais de 30 anos do lançamento da música e das gerações mais novas não estarem tão interessadas assim nos versos de Djavan, acho que a inclusão de Sina na trilha sonora do filme foi uma decisão acertada por fazer quem assistiu a série a se lembrar dela e também porque o elenco cantando uma música tão leve e boa foi um dos melhores momentos do filme.




segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Revivendo a Trilha: Tormento d’ Amore

A música de hoje ficou bastante famosa no final dos anos 90, quando foi o tema de abertura da novela Terra Nostra (1999). Composta por Marcelo Barbosa, Tormento d’ Amore foi interpretada por Agnaldo Rayol e pela soprano Charlotte Crunch, sendo lançada em 1999 no disco de Agnaldo Rayol, que também se chamava Tormento d’ Amore.

Perfil: Mallu Magalhães

Com voz doce, calma e letras que passam sensação de tranquilidade, Mallu Magalhães atualmente é uma das melhores opções de música brasileira para os mais jovens, uma vez que o uso da internet para fins profissionais a aproxima mais desse público.
Considerada uma das principais cantoras da nova geração da MPB, Maria Luiza de Arruda Botelho Pereira de Magalhães começou a cantar quando ainda era adolescente, sendo uma das primeiras a usar a internet para divulgar suas canções, começando assim a ganhar visibilidade na música independente.
Após disponibilizar no MySpace algumas músicas, em 2007, uma delas, Tchubaruba, fez bastante sucesso, tornando-se o seu primeiro hit. Além de intérprete, Mallu é também compositora, atividade que exerce desde os 12 anos. Grande parte das letras de suas canções foi escrita em inglês, fato esse que explica a presença frequente do idioma principalmente nos dois primeiros álbuns da cantora, ambos com o nome de Mallu Magalhães, lançados em 2008 e 2009.
Pitanga
Capa do Pitanga, álbum mais
recente de Mallu.
Seu mais recente álbum, Pitanga, foi lançado em 2011, mesmo ano em que Mallu participou da trilha sonora do filme Qualquer Gato Vira-Lata interpretando as canções Janta (dueto com Marcelo Camelo), Feminine Side, My home is my man e Para e olha pra mim. Apesar de ser uma linda canção, esta última não está em nenhum álbum de Mallu, sendo que, na minha opinião, ela combinaria perfeitamente com o repertório de Pitanga, que tem as lindas e tranquilas Sambinha bom, Olha só, Moreno e Velha e Louca.

Atualmente, a cantora está morando em Lisboa, onde está fazendo vários shows com o repertório de Pitanga, apresentando-se inclusive na versão portuguesa do programa X-Factor.  




segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

domingo, 19 de janeiro de 2014

Elis Vive

Hoje completam-se 32 anos da partida da Pimentinha, mas a impressão que me dá é que ela continua cada vez mais viva, principalmente nesse ano que passou. Para quem ainda não sabe, em 2013 eu fiz como meu Trabalho de Conclusão de Curso da faculdade de Jornalismo o livro-reportagem Saudades de Elis, que traz histórias de fãs da nossa eterna Pimentinha em forma de perfis jornalísticos.
Capa do meu Trabalho de Conclusão de Curso
E sobre esse trabalho, que durante muito tempo foi apenas uma ideia solta na cabeça de uma fã que ninguém levava a menor fé de que ia dar certo um dia, o que eu posso dizer é que não me arrependi em nenhum momento de ter escolhido e insistido nesse tema, que me trouxe tantas coisas boas.
Além de poder conhecer ainda mais detalhes da vida e da carreira de Elis (e ainda por cima poder fazer isso como uma forma de estudo, uma vez que esse trabalho foi a união da minha vida acadêmica com uma parte muito importante da minha vida pessoal), esse livro me deu uma oportunidade que eu nunca pensei que teria: conhecer pessoas que conheceram Elis pessoalmente. E olha que não estou falando daquelas pessoas que sempre dão os mesmos depoimentos sobre a cantora na mídia, e sim de quem tem histórias maravilhosas pra contar e geralmente não é ouvido. Das entrevistas presenciais que realizei – juntamente com minha dupla na execução do trabalho – as que foram feitas com esses dois admiradores de Elis que a conheceram pessoalmente (Mauro e Teresinha) são as que mais me marcaram.
Primeiro porque, embora eu já soubesse inúmeros detalhes da vida e da obra da Elis porque li em livros, encartes de CDs e na internet, a ideia de ficar diante de pessoas que conheceram e conviveram com ela era algo novo, emocionante e assustador pra mim, pois, ao contrário do que normalmente acontece comigo quando falo sobre Elis, era a primeira vez que eu não ia ser a pessoa que mais entendia do assunto na situação, o que me deixava com um pouco de medo de não saber o suficiente para segurar a conversa.
Depois porque não é todo dia que se encontra alguém que foi próximo de uma pessoa que, apesar de ser muito distante da sua geração e você nem ao menos ter chegado a vê-la na TV enquanto ela era viva, você admira demais não só pela voz, mas também porque não tinha medo de dizer o que queria e lutar pelo que acreditava, mesmo que fosse através das canções que interpretava (aliás, às vezes tenho a sensação que, apesar de adorar a voz dela e achar que é uma das mais belas que já ouvi, essa fascinação que tenho por Elis vem muito mais da personalidade que ela tinha).
E também, para quem não conheceu o seu ídolo, ficar frente a frente com alguém que o conheceu e tem histórias para contar sobre ele realmente é uma glória e um momento que precisa ser aproveitado ao máximo, tanto que em alguns momentos eu simplesmente esquecia que estava fazendo uma entrevista para fins acadêmicos, que existia uma lista enorme de perguntas para fazer e me aprofundava na conversa.
Essa união dos fãs é tão comovente porque, além de mostrar que é possível demonstrar amor sem esperar nada em troca, não é comum encontrar fãs como os de Elis, que se mobilizam para discutir e difundir a obra dela pelo mundo, mesmo que seja por meio da internet. Aliás, o mundo digital é um grande aliado dos fãs da Pimentinha, pois através dele não só é possível saber (mais) sobre a cantora como também se pode conhecer outros fãs dela.
Como eu faço parte dos fãs de Elis que sentem saudade de uma época que não viveram, fazer um livro como o Saudades de Elis foi a minha maneira de reconhecer o quanto essa mulher foi importante, uma forma de contribuir para que a memória dela continue viva e, além disso, um jeito de mostrar a importância que pode ter os fãs de um artista, pois eles amam, admiram, conhecem, defendem e muitas vezes cuidam do acervo de seu ídolo até melhor do que a própria família da pessoa.

Além do Mauro e da Teresinha, durante os meses em que estava fazendo meu livro entrevistei mais fãs de Elis que também tinham muito para contar, como é o caso de Marcelo, Geraldo e Rodrigo. Dentre os fãs de Elis que eu conheço, creio que Geraldo é aquele que mais se dedicou a cuidar da obra da Pimentinha, pois está há 32 anos à frente do Grupo Cultural Eternamente Elis e, por meio desse grupo, a vida e a obra de Elis estiveram ao alcance de mais pessoas. 
Já o Rodrigo tem uma importância diferente até mesmo para que a produção do meu livro fosse possível, pois muito do que eu sei sobre Elis hoje aprendi por causa do grupo do qual ele é um dos criadores, o Analisando: Elis Regina, que foi o primeiro grupo sobre ela que eu entrei, em 2009. Boa parte das apresentações, vídeos raros e entrevistas que eu assisti foi porque as pessoas desse grupo sempre deixavam a disposição de quem quisesse ver.   
No caso do Marcelo, acredito que ele tem uma trajetória mais parecida com a minha, pois além de também ter escolhido Elis como tema de seu TCC da faculdade de Jornalismo, ele já fez algumas matérias sobre ela e, atualmente, é um dos criadores do grupo Elis é Luz.
Esse trabalho que fiz foi uma ótima oportunidade que eu tive de conhecer mais sobre a Elis que não contam nos livros e ainda ver de perto que o amor que um fã tem não se apaga com o tempo e nem com a morte desse artista, pelo contrário: no caso da nossa Pimentinha, a cada ano que passa eu vejo mais pessoas demonstrando carinho, admiração e vontade de contribuir para que ela continue sendo (re)lembrada pelas pessoas e sem ir a lugar algum, principalmente neste 19 de janeiro, que é quando ela fica ainda mais viva. Aliás, ao longo do dia eu já vi várias homenagens e demonstrações de carinho nos grupos que participo, o que mostra que fã não é igual a mídia, que só se lembra de homenagear os artistas que já se foram em datas redondas, como 20 ou 30 anos de morte.

E para encerrar, não poderia faltar uma música de Elis. E a escolhida foi Alô, alô, taí Carmen Miranda.


sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Na Minha Estante: Rapte-me Camaleoa



Composta por Caetano Veloso, Rapte-me Camaleoa foi lançada por em 1980, no LP Outras Palavras.
Em 2011, ele regravou a música ao lado de Maria Gadú, para o álbum Caetano Veloso e Maria Gadú – Multishow ao vivo.







quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Dica de Quinta: Gasolina

Composta por Bernardo Martins e Jullie, que no ano passado participou da segunda edição do programa The Voice Brasil, a música foi lançada por Jullie em junho do ano passado, no EP Gasolina. Aliás, Jullie interpretou a música em sua primeira apresentação no The Voice


terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Revivendo a Trilha: Se Quiser

Versão brasileira de Anytime, de Louis Biancaniello e Sam Watters, Se Quiser foi composta por Cláudio Rabello e foi lançada no álbum Tânia Mara, em 2006.

No mesmo ano, a música foi incluída na trilha sonora da novela Páginas da Vida, como tema do casal Isabel e Renato.

sábado, 4 de janeiro de 2014

Dica de Quinta: Velha e Louca

Lançada por Mallu Magalhães no álbum Pitanga, essa música consegue descrever um pouco como me sinto agora, talvez por isso eu a tenha escolhido para postar hoje.
Entre outras coisas, a letra de Velha e Louca mostra um pouco que devemos levar a vida sem nos importar com críticas, palpites e opiniões alheias, priorizando sempre a felicidade.

Além disso, o clipe explora o lado um pouco mais sensual de Mallu Magalhães, que iniciou sua carreira quando ainda era adolescente. O vídeo de Velha e Louca conta também com a participação do marido da cantora, Marcelo Camelo, cujas composições que parecem ser uma das inspirações de Mallu.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Na Minha Estante: Telegrama


Composta por Zeca Baleiro, a música Telegrama mostra o quanto o amor e a esperança podem transformar a vida de alguém que não anda em seus melhores dias.
Lançada em 2002, a canção, que é uma das mais conhecidas de Zeca Baleiro, faz parte do repertório do álbum Pet Shop Mundo Cão.