quinta-feira, 31 de maio de 2012

Música no Cinema

Por conta de milhares de trabalhos que tive que entregar esse mês, não tive tempo para fazer a coluna Música no Cinema desse mês. Por conta disso, em junho teremos duas edições da coluna.

Dica de Quinta: Lua e Flor


Composta por Oswaldo Montenegro, essa música, dona de uma melodia muito doce também por conta do uso da flauta, fez parte da trilha sonora da novela O Salvador da Pátria, exibida pela Rede Globo em 1989.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Na Minha Estante: Vou de Táxi



Famosa na voz de Angélica por ser o maior sucesso de sua carreira como cantora, essa música é a versão em português da francesa Joe le taxi, composta por Didien Pain e interpretada por Vanessa Paradis
A versão que conhecemos foi composta em 1988 por Aloysio Reis e Biafra. Em 1999, Angélica regravou a música, dessa vez no ritmo funk e com a participação de Claudinho e Buchecha.


segunda-feira, 28 de maio de 2012

Perfil: Rita Lee


Polêmica, exótica e dona de um talento incrível para compor músicas com um estilo bem diferente tanto das músicas antigas quanto do que temos chamado de música nos últimos tempos, Rita Lee Jones de Carvalho é até hoje um grande nome do rock brasileiro.
Já se passaram quase 45 anos desde que a ruivinha da foto ao lado, com um coração desenhado no rosto se apresentou com os Mutantes e Gilberto Gil no III Festival de MPB da Record, mas apesar das mudanças físicas, a irreverência e a língua afiada (e os dedos) continuam as mesmas, e o CD Reza, lançado esse mês, está aí para confirmar isso.   
Entretanto, quem vê a figura exótica em que ela se transformou nem imagina o que seus pais gostariam que ela fosse: o pai queria que ela fosse dentista como ele, e a mãe, pasmem!, queria que ela fosse freira. Acho que a música Ovelha Negra, de autoria de Rita, nunca fez tanto sentido como depois dessa revelação...
Mesmo sendo muito conhecida, essa canção, apesar de ser uma das mais famosas, não é a principal de sua carreira, pois ao lado dela estão clássicos como Lança Perfume, Mania de Você, Agora Só Falta Você, Chega Mais, Tititi, Pagu e várias outras que transformaram Rita Lee na lenda que é hoje.
Entretanto, não podemos falar de Rita Lee sem citar uma pessoa fundamental em sua vida pessoal e profissional: Roberto de Carvalho, marido dela há mais de 35 anos e parceiro na composição de algumas das músicas que eu citei no parágrafo anterior e também de tantas outras que ainda são sucessos mesmo depois de tantos anos do lançamento.

domingo, 27 de maio de 2012

Sobe o Som: Bela Fera




Interpretada por Pedro Luís e a parede, a música Bela Fera é o tema de abertura do seriado As Brasileiras, exibido pela Rede Globo toda quinta-feira.

sábado, 26 de maio de 2012

Crítica da Semana: Reviva a música ou a programação da Globo?



Na última segunda-feira, 21, foi ao ar a primeira edição estendida do programa Reviva especial, comandada por Zeca Camargo. O primeiro programa da série de 5 de episódios disse que abordaria os musicais, mas fez isso muito superficialmente, pois o que eu entendo por musical não se restringe somente a programas exibidos pela Globo.
Apesar de ter falado, ainda que rapidamente, dos Festivais de MPB da Excelsior e da Record, que foram, ao lado do FIC (Festival Internacional da Canção), que teve quase todas as edições exibidas pela Globo os mais famosos Festivais de Música do país, existiram muitos programas musicais importantes e que nem sequer foram citados no programa.
Entre os ausentes que mais me chamaram a atenção foram Frente Única da MPB, que rendeu a passeata contra as guitarras elétricas já no dia da época, O Fino da Bossa (que merecia ter sido bem mais falado no programa por ter sido o precursor desses musicais), o Divino, Maravilhoso!, por ter sido o principal canal de comunicação televisivo entre os tropicalistas e o público durante algum tempo e o Qual é a música?, que foi um dos programas musicais mais famosos entre a segunda metade da década de 1970 e o início da década de 1990.
Contudo, isso não foi o que mais me impressionou no programa. Mesmo tendo exibido um bom acervo de pérolas da nossa música desde os áureos tempos do início da TV Tupi, em 1950 e falado de programas importantes como Elis Especial, Chico e Caetano, Antônio Brasileiro e das trilhas de novela, a impressão que passou é que a edição do programa favoreceu bastante o especial em homenagem a Tom Jobim, o programa de Chico Buarque e Caetano Veloso e também o Globo de Ouro por já terem sido reprisados pelo Viva ou estarem indo ao ar no canal agora, como é o caso do Globo de Ouro.
Além disso, é um absurdo um programa como esse dedicar tanto tempo falando dos especiais do Roberto Carlos (Sim, eles fazem parte da história da TV e são importantes para a música brasileira, mas não precisava passar quase um bloco falando deles) e não ter a decência de falar pelo menos 20 segundos sobre o Série Grandes Nomes, que também foi um marco na história da música brasileira por ter homenageado grandes artistas, o Som Brasil e o Mulher 80, porque só interessa falar do especial super jurássico de fim de ano!
Entretanto, mesmo assim o Reviva teve pontos positivos, como falar dos clipes do Fantástico, o especial Toquinho/Vinícius, o Rock in Rio, abordagem da música de protesto, a jovem guarda, a homenagem a Hebe Camargo, o Rock Nacional, que no programa foi classificado, de uma forma bem colocada por sinal, como Música Jovem Brasileira, já que MPB e Jovem Guarda não eram voltadas para esse tipo de público especificamente.    

Repeteco: Sensível Demais


Essa música, que agora está no ar embalando as cenas do casal Celina e Guilherme na voz de Nalanda, na novela Chocolate com Pimenta, tem uma história bem curiosa.
Lançada pela dupla sertaneja Chrystian e Ralf no CD Acústico, em 1998, a música foi composta por um cantor de MPB que hoje é muito famoso, mas que eu pelo menos nem imaginava que havia composto uma canção como essa: Jorge Vercillo.
Apesar de Sensível Demais ter sido um sucesso na voz da dupla sertaneja, o compositor dela só ficou famoso mesmo em 2002, quando lançou o hit Que nem maré (que por sinal é uma ótima música também).

Ivan Lins é o homenageado do Som Brasil desta semana


Apresentado por Patrícia Pillar originalmente em 21 de Setembro de 2007, o Som Brasil relembrou vários sucessos de Ivan Lins, como Madalena, Cartomante, Novo Tempo e Começar de Novo.
Para relembrar as diversas fases da carreira desse cantor e compositor que se destacou bastante principalmente nas décadas de 1970 e 1980, o programa contará, além da presença do próprio Ivan Lins,  com a participação de Paula Santoro e do grupo Lúdica Música para interpretar os maiores sucessos dele.
O Som Brasil em homenagem a Ivan Lins vai ao ar hoje, às 23h, no Viva.

Ivan Lins no Som Brasil (Foto: TV Globo)


quinta-feira, 24 de maio de 2012

Dica de Quinta: Carrossel


Carro-céu

Com a estréia da versão brasileira de Carrossel essa semana, foi como se boa parte das pessoas que estão assistindo a novela estivessem revivendo a década de 90 (bom, no meu caso o início da de 2000, pois sou da época da exibição Vivan los niños, um dos vários remakes que essa novela já teve, e que foi exibido em terras tupiniquins em 2003).
Entretanto, uma das coisas que mais chamou a atenção na nova versão de Carrossel foi o tema de abertura, agora interpretado por Priscila e Yudi, ficou muito famoso nos anos 90 na voz do grupo Super Feliz. 
Para quem quiser assistir a versão brasileira da novela Carrossel, ela passa no SBT de segunda à sexta, às 20h30. 


terça-feira, 22 de maio de 2012

Na Minha Estante: Whisky a Go Go


É uma missão quase impossível relembrar das músicas mais famosas da década de 1980 e não citar esse clássico da nossa música e que, se não for o maior, é pelo menos um dos principais sucessos do Roupa Nova.
Composta por Paulo Massadas e Michael Sullivan, ela foi lançada em 1984 no LP Roupa Nova, o quarto do grupo, que conseguiu resistir ao tempo e as modinhas fúteis e permanece até hoje fazendo músicas de boa qualidade.
Com um ar de anos 60 em razão do cenário romântico regado a cuba libre, vitrola e som à meia-luz, a música foi inspirada no cantor John Rivers pelo fato de os dois compositores terem interpretado muitas músicas dele na época em que eram crooners. Aliás, é exatamente por isso que ela foi batizada com um nome de boate, Whisky a Go Go.
Por conta de seu estrondoso sucesso pouco tempo depois de seu lançamento, a música foi escolhida para ser o tema de abertura da novela Um sonho a mais, exibida pela Rede Globo no ano seguinte. 

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Primeira edição estendida do Reviva será sobre música

Dando continuidade a comemoração dos 2 anos do Canal Viva, o Reviva, único programa produzido pelo canal, ganhará 5 edições com a duração de 1 hora, que serão comandadas por Zeca Camargo, Glória Maria e Marília Gabriela.
A primeira edição estendida do Reviva, que vai ao ar hoje a noite, será comandada pelo jornalista Zeca Camargo e terá como tema a música, que teve um papel muito importante na história da televisão brasileira.
Com a participação de Leo Jaime, Fernanda Abreu, Nelson Motta e Mu Chebabi, o programa vai falar, entre outras coisas, sobre os Festivais de Música Popular Brasileira, muito populares entre a segunda metade da década de 1960 e os anos primeiros anos da década de 1970, os programas musicais exibidos pela Rede Globo, como por exemplo, Globo de Ouro e Chico e Caetano.
O Reviva Especial vai ao ar hoje, às 23h15, e será reprisado no sábado, às 22h, no Viva.

Reviva Música (Foto: Canal Viva)

domingo, 20 de maio de 2012

Crítica da Semana: Tom Jobim: um ilustre brasileiro falando de amor



No dia em que completou 2 anos de existência, o canal viva deu um grande presente a seus telespectadores ao exibir o especial Antônio Brasileiro, que homenageou um dos melhores compositores do Século XX: Tom Jobim.
Exibido originalmente em 29 de maio de 1987, o programa foi feito para comemorar os 60 anos desse grande maestro, cantor, compositor e pianista que descreveu o amor e o Rio de Janeiro de uma maneira tão doce que transformou suas canções em verdadeiras preciosidades da música mundial.
Com imagens do Central Park e do Museu de Nova York ao fundo, o especial consiste de entrevistas do próprio Tom Jobim, vários números musicais com a participação de convidados ilustres e, é claro, de canções mundialmente conhecidas, como a eterna Garota de Ipanema (em dueto com o também eterno Frank Sinatra).   
Além dessa música, outros sucessos desse grande brasileiro estiveram presentes, como Luiza (com cenas de Vera Fischer enquanto a música rola), Dindi, com Gal Costa, a famosa Insensatez, com Joyce, Choro Bandido (, com Chico Buarque e Edu Lobo, Samba do Avião e Bebel, ambas com Tom Jobim e a Banda Nova.
Entretanto, de todo o repertório (quase perfeito por sinal), três chamaram bastante a minha atenção: a maravilhosa Anos Dourados, composta e interpretada em parceria com Chico Buarque e que, aliás, tem uma das melhores melodias que eu já ouvi (e sim, essa é a minha preferida dessas duas lendas da MPB) e Eu sei que vou te amar, que ficou muito bonita naquele sotaque baiano do Caetano Veloso. Além dessas duas, uma que eu não conhecia, mas que adorei foi Lígia, que ficou perfeita no dueto entre Tom Jobim e Marina Lima.
Mas, como eu disse antes, o repertório foi quase perfeito. O motivo para o setlist não ser digno de uma nota 1.000 é que faltaram músicas que foram essenciais na carreira do maestro, como Águas de Março (seria importante tê-la no especial mesmo sem a presença da Elis Regina, mas isso se resolveria da mesma forma que fizeram com o Sinatra, colocando um vídeo antigo), Corcovado, que é uma música linda mas que as pessoas não dão o valor que merece e Wave (que é dona de uma melodia quase do mesmo naipe de Anos Dourados).

Edu Lobo, Tom Jobim e Chico Buarque (Foto: TV Globo)
Tom Jobim, com Chico Buarque e Edu Lobo durante a interpretação de Choro Bandido, uma das duas músicas interpretadas no especial que não foram compostas por Tom Jobim.

sábado, 19 de maio de 2012

Repeteco: Como Eu Quero


Lembrada como um dos maiores sucessos da banda Kid Abelha, essa música foi censurada pela Ditadura Militar, quando ela estava perto de chegar ao fim, pelo fato de ser muito avançada para os padrões morais da época.
Composta por Leoni e Paula Toller, Como Eu Quero fez parte do primeiro álbum da banda Kid Abelha (naquela época, eles eram conhecidos como Kid Abelha e os Abóboras Selvagens), Seu Espião, lançado em 1984.
Em 2002, a música fez parte da trilha sonora da novela Marisol, embalando as cenas do casal Chico e Mimi, interpretados por Carla Fioroni e Rodrigo Lombardi.



Som Brasil desta semana homenageia Noel Rosa


Maria Rita no Som Brasil (Foto: TV Globo)Exibido originalmente em 27 de julho  de 2007, ano em completou-se 70 anos da morte de Noel Rosa, o Som Brasil contou com a participação de Maria Rita, Marcos Sacramento e a Orquestra Imperial para relembrar os principais sucessos desse grande compositor carioca.
Entre os sucessos do poeta da vila que foram interpretados pelos convidados no programa estão os clássicos Com que roupa, Fita amarela, Conversa de Botequim e Feitio de Oração.
O Som Brasil vai ao ar hoje, às 23h, no Viva.


sexta-feira, 18 de maio de 2012

Globo de Ouro ganha novo horário de exibição



Devido ao grande sucesso que a reprise do programa, exibido durante muitos anos pela Rede Globo, tem feito desde que estreou no Viva, cerca de duas semanas atrás, e por conta também dos inúmeros pedidos dos telespectadores, o canal resolveu exibi-lo em um horário alternativo.
A partir desta semana, o programa irá ao ar no lugar da reprise do Som Brasil, às 18h. Entretanto, excepcionalmente neste domingo ele começará um pouco mais tarde, às 18h15.


Chacrinha volta à grade do Viva


Em comemoração aos 2 anos do canal, que estão sendo completados hoje, o canal Viva trouxe várias atrações que são famosas mesmo depois de tantos anos que deixaram de ser exibidas.
Entre essas novidades no Viva está o Cassino do Chacrinha, que já foi exibido pelo canal em outras ocasiões, mas que agora volta como atração mensal. Serão apenas os programas mais novos, exibidos originalmente em 1988.
O Cassino do Chacrinha irá ao ar amanhã, às 13h, e será reprisado no domingo, às 16h, no Viva.

Viva exibe especial em homenagem a Tom Jobim

Para presentear o telespectador na data em o que Viva completa 2 anos, o canal vai exibir o especial Antônio Brasileiro, que foi dedicado aos 60 anos de Tom Jobim, esta noite.
Exibido originalmente em 29 de maio de 1987, o programa, que consiste de entrevistas com o homenageado e números musicais, foi gravado em Nova Iorque, onde o maestro morava na época. Além disso, o especial conta com a participação de grandes nomes da música, como Chico Buarque, Gal Costa, Edu Lobo e Marina Lima.
O programa Antônio Brasileiro vai ao ar hoje, às 23h15, e será reprisado no domingo, às 20h, no Viva.    

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Dica de Quinta: Dançando


Primeira composição do projeto Agridoce, desenvolvido por Pitty e o guitarrista Martin com músicas folks inspiradas nas de Leonard Cohen, Nick Drake, Jeff Buckley e Elliott Smith. Por conta disso, ela tem um ritmo bem diferente das músicas que a cantora costuma gravar, sendo bem mais leve.
Gravada em casa, na Serra da Cantareira, em um dia de chuva, o clipe de estúdio foi lançado em 2011. Ainda no ano passado, houve também o lançamento do álbum Agridoce, no dia 7 de novembro.  

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Virada Cultural de Campinas é atingida pela greve dos servidores públicos


Por conta da greve dos servidores públicos de Campinas, que atinge a cidade desde o último sábado (12), a programação da Virada Cultural precisou ser alterada. O município, que também está enfrentando problemas por conta da paralisação do transporte público, precisou mudar a primeira apresentação do dia 19/05.
Anteriormente, a abertura oficial da Virada seria um concerto da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas. Mas, como os músicos aderiram à greve dos servidores públicos nesta quarta – feira, o show do DJ Bungle foi transferido para o horário do concerto, tornando-se assim a  atração de abertura do evento.
Houve uma mudança também no horário do show de Dudu Nobre, que será no Palco de Campo Grande, das 19h para as 22h30 por conta de outros compromissos do cantor. Além dele, estão entre as principais atrações do evento o Agridoce (Um projeto da cantora Pitty, em parceria com o guitarrista Martin), a cantora Mariana Aydar e Leo Jaime.

Veja a programação na íntegra:
19 e 20/05 (Palco Externo, Praça Arautos da Paz – Taquaral)
18h00 - Abertura Oficial com DJ Bungle
19h30 - Leo Jaime
20h30 - Trupe Irmãos Atada – Bang-Bang à Pastelana
21h00 - Reggae Spirit
22h00 - Trupe Irmãos Atada – Bang-Bang à Pastelana
22h30 - Autoramas
23h30 - Trupe Irmãos Atada – Bang-Bang à Pastelana
00h00 - Mariana Aydar
01h30 - DJ Bungle
15h00 - Cia. Caracaxá – de Recife a São Paulo
16h00 - Circo Marambio
16h30 - Dexter e Max B. O
17h30 - Circo Marambio
18h00 - Agridoce – um Projeto de Pitty e Martin
19 e 20/05 (Praça João Amazonas, Parque Itajaí – Campo Grande)
15h00 - Projeto Capoeira na Praça
16h00 - Vivian Forner
17h00 - Grupo Flor da Manhã
18h00 - Bruna Volpi
19h30 - Carina Mennitto
21h00 - Grupo Mattriz
22h30 - Dudu Nobre
00h00 - Grupo Percepção
01h00 - Grupo Presença
15h00 - Vitor Moreno
16h00 - Quatro Fatos
17h00 - Marco André e Giuliano
18h00 - Betho e Menon
19h00 - Pedrinho & Guga
20h00 - Victor Miranda
20/05 (Sesc Campinas – Bairro Bonfim)

11h30 - Ciranda - "Estórias de Cantar"
14h30 - Momentos Poéticos - Na asa do verso com Solano Trindade
16h00 - Trio Alvorada - "Tardes de Domingo"

terça-feira, 15 de maio de 2012

Na Minha Estante: Faz Parte do meu Show



Diferente da maioria das músicas de Cazuza por ter um arranjo no estilo Bossa Nova,  Faz Parte do meu Show é uma de suas músicas mais famosas.
Essa música, composta por ele em parceria com Renato Ladeira, fez parte do repertório do terceiro álbum solo dele, Ideologia, lançado em 1988. Gravado pouco tempo depois de Cazuza voltar de um período de tratamento de pneumonia nos Estados Unidos (Nessa época, a AIDS, que ele sabia ter desde 1985 e que terminaria por vencê-lo em julho de 1990 havia se manifestado mais uma vez), esse álbum é considerado até hoje o melhor álbum de estúdio gravado por ele.
No mesmo ano, Faz Parte do meu Show é escolhida para embalar as cenas do casal Afonso e Solange, personagens da novela Vale Tudo interpretados por Cássio Gabus Mendes e Lídia Blondi, que são casados desde 1990.


segunda-feira, 14 de maio de 2012

MPB ganha Dia Nacional

Na última sexta-feira (11), a presidenta Dilma Rousseff sancionou uma lei para criar o Dia Nacional da Música Popular Brasileira. A data escolhida, 17 de Outubro, se deve ao fato de ser o dia do aniversário da pianista, compositora e regente Chiquinha Gonzaga (a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil).
Entre seus principais sucessos estão polcas como Atraente (1877), choros, tangos e marchinhas de carnaval, como a famosa Ó Abre Alas, composta em 1899.

domingo, 13 de maio de 2012

Crítica da Semana: Viva Elis – Homenagem de mãe para mãe



Hoje, a cantora Maria Rita encerrou a turnê Viva Elis, que homenageia justamente a mãe que ela não teve tempo de conviver. Essa atitude dela foi muito bonita e, ao mesmo tempo, um tremendo ato de coragem, pois se já não foi fácil para ela cantar músicas do repertório da mãe (ela levou muitos anos para conseguir fazer isso), imagina fazer um show com músicas da mãe exatamente no Dia das Mães. E como se não bastasse, o show ainda por cima foi no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, onde nós sabemos que só de estar já é diferente por ser a Cidade Maravilhosa.
Entretanto, mesmo esse show de hoje sendo muito especial, não é só dele que vou falar, pois infelizmente não o assisti. Dos cinco shows do projeto patrocinado pela Nívea, eu tive a oportunidade de “assistir” somente dois: um pelo Facebook (o de Recife), e o outro eu ouvi pela Rádio Eldorado, através da internet (O de São Paulo). Esses dois shows (e provavelmente os outros três também) foram igualmente emocionantes, mas o de Recife me deu uma sensação que é até difícil de explicar.
Como eu já contei em outro post aqui no blog, eu sou fã da Maria Rita desde o início da carreira dela, quando eu não fazia ideia de quem ela era filha (eu já tinha escutado várias músicas da Elis Regina, mas não sabia disso). Mas, apesar de ter todos os CDs, DVDs, sempre procurar sobre ela na internet e assistir a todos os programas em que ela vai, eu nunca fui a um show dela.
Por esse motivo, o show de Recife, realizado no dia 1° de abril, foi diferente de tudo até então, pois eu ia ver um show dela e, mesmo sendo com o repertório da Elis, o que contou mais pra mim realmente foi ver a Maria Rita, um show da cantora que eu escuto desde que era pré-adolescente.
Mas, como não poderia deixar de ser, é claro que eu me abalei quando ela começou a cantar as músicas que eu escuto há anos na voz da Elis Regina e, mais do que isso, foi estranho ouvir aquelas músicas que me são tão familiares em uma voz que não era a dela. Entretanto, o que me emocionou mais foram as falas da Maria Rita no intervalo entre os blocos de música. Chegou a dar até um aperto no coração a ouvindo dizer como imagina que seria sua relação com a mãe, aquela cuja última lembrança que tem é do dia do velório.
No decorrer da apresentação, a cantora (que naquele momento já havia dado lugar à filha) foi contando muitas coisas sobre essa cantora que até hoje é considerada a maior do Brasil, e essas falas se tornaram o contexto perfeito para as músicas que se seguiam, como seus maiores ídolos (Tom Jobim, Ângela Maria e Cauby Peixoto, representados por Águas de Março, Vida de Bailarina e Bolero de Satã), Elis enquanto cidadã e ativista política (seguida das Músicas de Protesto Menino, Onze Fitas e o eterno hino O Bêbado e a Equilibrista), o lado mulher e o encontro dos universos de mãe e filha (Essa Mulher e Se Eu Quiser Falar Com Deus).
Além dessas músicas, ela também dedica um bloco do show a Milton Nascimento, de quem Elis foi muito amiga e gravou várias músicas, e aproveita para ressaltar a amizade dos dois e também seu carinho por ele, e diz que “herdou” a amizade de sua mãe com ele. Nesse bloco, ela canta Morro Velho (a única do repertório que eu não conhecia), O que foi feito devera e Maria Maria.
Para a última parte do show, o Bis, ela reservou algumas das músicas mais famosas de Elis Regina, como Fascinação (o tema da campanha do projeto Viva Elis), Romaria, Madalena e a minha eternamente preferida, Redescobrir, que inclusive é o propósito do projeto, revisitar e possibilitar que as gerações mais novas redescubram o repertório desse grande nome da Música Popular Brasileira.
Por fim, apesar de ter se falado tanto do Viva Elis por ser a Maria Rita cantando sucessos da mãe em um show, o que ela nunca havia feito até então, o que eu consegui ver analisando friamente (ou quase) foi uma cantora madura homenageando outra, que fez toda a diferença na história da música de seu país.
Mas, olhando para esse show de maneira que a emoção fale mais alto, o que vemos é uma filha (que também é mãe) fazendo uma homenagem não só a sua mãe, como também as outras intérpretes cujos filhos seguiram a mesma carreira e também a todas as mães em geral, já que o amor de mãe pelo filho é o mais verdadeiro de todos.

Repeteco: Não dá pra resistir


Primeiro single da extinta banda Rouge, que foi criada o concurso musical Popstar, exibido pelo SBT em 2002. Cantada por Karen, Aline, Luciana, Patrícia e Fantine, a música tornou-se o tema de abertura da novela Pequena Travessa ainda em 2002.
Protagonizada por Bianca Rinaldi e Rodrigo Veronese, a novela, que é a 4ª feita pelo SBT em parceria com a emissora mexicana Televisa, voltou a ser exibida pela emissora de Silvio Santos no mês passado, no lugar de Pícara Sonhadora, que coincidentemente foi protagonizada pela mesma atriz.

sábado, 12 de maio de 2012

Som Brasil de Ângela Maria reúne várias estrelas da MPB


Som Brasil - Angela Maria e Caetano Veloso (Foto: CEDOC/TV GLOBO)Daqui a pouco, o vai ao ar o Som Brasil em homenagem a uma das cantoras mais importantes da música popular brasileira: Ângela Maria.
Exibido originalmente em 1996, o programa contou com a presença de grandes nomes da MPB, como Milton Nascimento, Roberto Carlos, Caetano Veloso, Djavan, Alcione, Ney Matogrosso, Fagner, Fafá de Belém e outros. A gravação desse especial rendeu ainda um cd, chamado Ângela Maria e Amigos.
O Som Brasil vai ao ar hoje, às 23h15, e será reprisado amanhã, às 18h, no Viva. 


quinta-feira, 10 de maio de 2012

Dica de Quinta: Toda Forma de Amor


Composta por Lulu Santos, essa música é um dos maiores sucessos da carreira dele. Ela fez parte do sexto CD do cantor e que foi o primeiro produzido por ele, cujo nome também era Toda Forma de Amor, lançado em 1988.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Na Minha Estante: Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda



Composta em 1971 pelo baiano Hyldon, Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda só ganhou uma gravação em compacto em 1973. Entretanto, quem a ouve na versão do Kid Abelha nem imagina a história que existe por trás dela.
Em 1971, o compositor da música viajou com alguns amigos para passar o carnaval em Itaipava, que fica na cidade de Itapemirim, Espírito Santo, na qual tinha um coreto na rua principal.
E foi nessa viagem que ele conheceu e se apaixonou pela musa inspiradora da canção, Gioconda, que era de Juiz de Fora e foi passar o carnaval com os pais em uma fazenda da cidade. Entretanto, o carnaval acabou, o amor também, mas a música permaneceu e se transformou  no maior sucesso de Hyldon quando ele lançou essa música em seu primeiro LP, em 1975, que também se chamava Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda.
Agora, uma curiosidade: De acordo com o próprio compositor, essa música embalou o romance de muitos casais, como por exemplo, o do hoje ex - casal Chico Buarque e Marieta Severo, que foram casados por mais de 30 anos.
Entre as versões mais famosas dessa música estão a de Kid Abelha, do álbum Meu Mundo Gira em Torno de Você, de 1996, e da dupla sertaneja Chrystian e Ralf, que foi tema de abertura da novela Amor e Ódio, exibida pelo SBT em 2001.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Crítica da Semana: Som Brasil: Caetano Veloso



No Sábado à noite, o Canal Viva reprisou o Som Brasil em homenagem a Caetano Veloso, mas assim como no programa em que homenagearam Rita Lee, faltaram músicas importantes na carreira dele.
Parece que a produção do Som Brasil ainda não entendeu que quando assistimos a esse tipo de programa, esperamos relembrar as músicas que realmente se tornaram conhecidas na voz do cantor (no caso de compositores, as mais famosas de sua autoria). Por conta disso, juro que não entendo porque causa, motivo, razão ou circunstância um programa dedicado a Caetano Veloso não tem Baby (que ficou conhecida na voz de Gal Costa, mas que mesmo assim merecia estar nesse especial), Você é Linda, Você não me ensinou a te esquecer e Sozinho no repertório.
Sim, eu sei que as duas últimas músicas que eu citei no parágrafo acima não foram compostas por Caetano Veloso (Você não me ensinou a te esquecer é de Fernando Mendes e Sozinho foi composta por Peninha), mas ao ouvir o nome de ambas, nos lembramos imediatamente dele.
Aliás, outra coisa que eu achei péssima foi colocarem um trecho antigo de Alegria Alegria somente na chamada e também no final do programa. Então quer dizer que a música mais importante do Tropicalismo foi Divino, Maravilhoso? Se é assim, então Alegria Alegria deve ter sido apenas mais uma música na carreira do Caetano Veloso, já que só isso explica que a principal música do movimento liderado por ele não mereça ser interpretada em um programa que o homenageia! E isso sem falar de Tropicália e É Proibido Proibir, que foram músicas super polêmicas e que são referências até hoje de músicas de protesto da época da Ditadura Militar.
Apesar de todos esses defeitos, o programa também teve pontos positivos, principalmente no quesito intérpretes, pois Mariana Aydar e o grupo Chicas foram simplesmente espetaculares. O outro cantor presente, Jauperi também teve um bom desempenho. Além deles, o próprio Caetano Veloso estava presente, mas acho que a interpretação desse dispensa comentários.
Dentre as interpretações dos cantores convidados, destacaram-se Mariana Aydar cantando Beleza Pura com uma força impressionante e o grupo Chicas, com uma interpretação de Divino Maravilhoso que faz jus ao nome da música. A única interpretação dos convidados que eu não achei tão legal assim foi a de Jauperi para Sampa, já que essa música fica perfeita só na voz do Caetano Veloso.
As outras músicas interpretadas no especial foram O Quereres, Milagre do Povo, Nosso Estranho Amor, Força Estranha, Gata Extraordinária. As músicas Como Dois e Dois, Desde que o Samba é Samba, Não me arrependo, Rocks e London London foram interpretadas por Caetano Veloso. De todas as músicas que foram interpretadas nesse Som Brasil, a minha preferida foi London London.

domingo, 6 de maio de 2012

Enquete Perfil



Vote em quem eu devo falar na Coluna Perfil do mês de Maio: Gonzaguinha, Dorival Caymmi, Noel Rosa, Roberta Sá ou Rita Lee? Caso tenham outra sugestão, postem nos comentários deste post.


A enquete está no canto esquerdo da página e vocês tem até dia 20 para votar!

sábado, 5 de maio de 2012

Caetano Veloso é o homenageado do Som Brasil

Hoje à noite, o Canal Viva irá reprisar o Som Brasil em homenagem a um dos nomes mais importantes da música popular brasileira: Caetano Veloso.
Exibido originalmente em 16 de maio de 2007, o programa relembrou várias músicas do cantor e compositor baiano, como Alegria Alegria, O quereres, Divino Maravilhoso, London London, Beleza Pura e Força Estranha.
O programa vai ao ar daqui a pouco, às 23h, e será reprisado amanhã, às 18h, no Viva.

Repeteco: Bye Bye Tristeza

A partir de segunda – feira, a novela Roque Santeiro dá lugar a mais nova reprise do Canal Viva: a novela Que Rei Sou Eu?, que foi exibida pela Rede Globo em 1989. Por conta disso, o Repeteco dessa semana vai falar sobre uma música da trilha sonora da novela que fez muito sucesso naquela época: Bye Bye Tristeza.
Composta por Carlos Colla e Marcos Valle, a música ficou famosa na voz de Sandra de Sá em 1988, quando esta a lançou em seu LP, que também se chamava Sandra de Sá



sexta-feira, 4 de maio de 2012

Noel Rosa: da Vila Isabel para o mundo


Hoje, faz 75 anos que o eterno poeta da Vila Isabel morreu. Apesar de ter vivido apenas 26 anos, esse cantor, compositor, sambista, bandolinista e violonista carioca se tornou uma das figuras mais importantes não só para a história do samba de morro como também para a da música popular brasileira.
Entre suas músicas mais famosas estão as inesquecíveis Com que roupa?, Feitiço da Vila, Dama do Cabaré, Conversa de Botequim e Pierrot Apaixonado, que mesmo tendo sido compostas há mais de 75 anos, conseguiram atravessar esses anos todos (e convivendo com todas as músicas que apareceram nesse tempo todo) sem cair no esquecimento das pessoas, o que, merecidamente, transformou Noel Rosa em um mito do samba.


Com a morte de Tinoco, a música perde mais um astro


Eu, assim como muita gente, nunca fui muito fã de música sertaneja porque não faz o meu tipo, mas acho que todos os artistas e estilos musicais devem ser respeitados, principalmente aqueles que foram tão importantes para a construção da nossa música.
Hoje, morreu aos 91 anos o cantor Tinoco, cuja dupla que formou com o irmão Tonico na década de 1930 se tornou a mais respeitada dupla sertaneja da história da música brasileira.
Durante os mais de 60 anos em que se apresentaram juntos, Tonico e Tinoco tiveram o estilo copiado por várias duplas, o que, além de reafirmar o sucesso deles, também mostrou que os novos tipos de música sertaneja, apesar de às vezes se tornarem famosos, não superam algo que, apesar de simples, realmente cativa o público. E o estilo de música deles deu tão certo que eles nunca sucumbiram às mudanças e continuaram fazendo sucesso até o fim de suas vidas.
Aliás, esse foi um ponto bem crítico na vida de Tinoco, pois seu irmão morreu quando a dupla ainda estava em atividade após cair da escada do prédio onde morava, em agosto de 1994. Mesmo com a perda, Tinoco buscou forças em seu público e continuou se apresentando até esse ano, quando se tornou o cantor sertanejo há mais tempo na ativa.
Entre os principais sucessos da dupla estão clássicos como Tristeza de Jeca, Chico Mineiro, Moreninha Linda, Beijinho Doce e Cabocla Tereza.  


quinta-feira, 3 de maio de 2012

Dica de Quinta: Boa Sorte/Good Luck


Depois de uma semana com muitas coisas pra fazer apesar do feriado e de ver uma piada associando o seguinte trecho de Boa Sorte com a terrível sensação que temos antes de entregar uma prova para o professor,  "É só isso, não tem mais jeito, acabou, Boa Sorte" a música não saiu mais da minha cabeça. Sendo assim, eu não teria como escolher música mais adequada para postar nesta coluna hoje.
Composta pelo cantor americano Ben Harper e Vanessa da Mata, Boa Sorte/Good Luck foi o primeiro single do álbum Sim, lançado pela cantora em 2007.

Reprise do Globo de Ouro estreia hoje no Viva


Em comemoração aos seus dois anos de existência, o Canal Viva começará a reprisar, entre outros programas que ajudaram a Globo a construir o seu “padrão de qualidade”, o Globo de Ouro, que foi um dos programas mais famosos que a Rede Globo produziu e que os telespectadores cobravam a reprise.
Exibido entre 1972 e 1990, o Globo de Ouro foi um dos principais programas de música das décadas de 1970 e 1980, pois tinha números com artistas cujas músicas estavam fazendo bastante sucesso, trazia músicas que foram importantes no passado, músicas internacionais e, claro, o ranking das músicas mais tocadas do momento, tanto no geral quanto nas cinco regiões do país separadamente.
O Globo de Ouro será reprisado a partir de hoje, às 23h15, no Viva.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Ataulfo Alves e a sua Amélia


Hoje, esse cantor e compositor mineiro, que vivia no Rio de Janeiro desde os 18 anos, faria 103 anos. Apesar de Ataulfo não ser um nome comum, talvez não seja possível associar logo o nome à sua obra mais famosa.
Compositor de sambas como Sexta – feira, Atire a primeira pedra, Nem que chova canivete, Mulata Assanhada e outros, mas foi em parceria com Mário Lago que ele compôs, em 1941, um dos sambas mais conhecidos da música brasileira: Ai, que saudade da Amélia.
Aliás, essa música foi responsável por deixar bem explícito o que a sociedade machista daquela época (leia-se homens com complexo de macho alfa e suas esposas, que passavam o pensamento para seus descendentes) pensava ser o papel da mulher: o de eternamente submissa ao marido, cujas obrigações a serem cumpridas além dessa eram a de ter filhos e passar o dia em casa cuidando deles.

terça-feira, 1 de maio de 2012

Na Minha Estante: Ive Brussel



Composta por Jorge Ben Jor em 1979, Ive Brussel é o nome de uma fã belga por quem o cantor, que na época ainda era chamado de Jorge Ben, se apaixonou em uma de suas viagens.
A música foi lançada no décimo oitavo LP de Jorge Ben Jor, Salve Simpatia, e contou com a participação especial de Caetano Veloso. Além dessa versão, a música foi gravada por Simone, Jota Quest, Lulu Santos, Só Pra Contrariar, Banda Moinho e Daniela Mercury. 

O vídeo abaixo mostra Caetano e Jorge Ben Jor interpretando essa música no Fantástico, em 1980.